Início > Ciências > Arredondado mundo humano

Arredondado mundo humano

Por Jacques

Arquétipos são formas padrões básicas gravadas em nosso inconsciente que nos auxiliam a interpretar o mundo à nossa volta, sobreviver nele e, se possível, deixar descendentes.

Temos predileção por formas arredondadas, o que se reflete tanto em nossa relação com o mundo material quanto no que diz respeito aos demais seres vivos.

Neotenia é como é chamada a retenção de características juvenilizadas (ou seja, arredondadas) durante o processo evolutivo dos mamíferos, e sua função também inclui tornar o ser humano adaptado a qualquer ambiente (impedindo-o de se especializar em apenas um deles).

Um bom exemplo disso são os bebês humanos (também conhecidos como filhotes de gente), que possuem cabeças desproporcionalmente grandes, se comparadas às de seus pais.

Isso para eles serve como uma forma de defesa, pois já que não possuem garras, veneno, odor repulsivo (a maior parte de tempo) ou qualquer outra forma de defesa.

Funciona assim: você vê o/a pestinha e pensa “Ah, mas que coisinha mais lindinha essa aqui…” e isso inibe sua agressividade.

Por sinal, os brinquedos infantis (como bichos de pelúcia, arredondados até no focinho) também são neotenizados, seja por segurança (ausência de partes pontiagudas potencialmente perigosas) ou para serem atraentes, mesmo.

Personagens criados especificamente para o público infantil são naturalmente arredondados, como os Ursinhos Carinhosos, Backyardigans, aqueles Teletubbies esquisitões; e quem não se lembra da Priscila, da saudosa TV Colosso, que tinha uma cabeça tão grande que devia ter seu próprio CEP?

Por outro lado, personagens criados há décadas atrás vêm sofrendo um processo contínuo e ininterrupto de neotenização; basta lembrarmo-nos de com eram o Mickey, Pernalonga, Pica-Pau, Popeye, Garfield e os Simpsons.

A neotenização de Mickey através dos anos

Na época em que surgiram, todos eles eram mais feios do que a Elke Maravilha sem peruca.

Ou com peruca.

Não importa, vocês entenderam.

Na ficção científica, os robôs antropomorfizados passaram de cópias do Homem de Lata do Mágico de Oz (um visual mais rústico e “duro” (sem trocadilho)) para um visual mais limpo e elegante.

Nas hqs de super-heróis a neotenia (seguida pelas mudanças de estilo nos desenhos e nas vestimentas dos personagens) pode ser visualizada de forma bem clara, basta compararmos esta Mulher Maravilha:

Com esta, deste século:

Atualmente até os automóveis estão ficando neotênicos (basta comparar o Fusca original com o atual), o que é um tanto estranho, já que neotenia e aerodinâmica (na maior parte das vezes) não combinam.

Já os atributos físicos femininos têm função estética e prática: as mamas (que são erroneamente chamadas de “seios”) unidas formam o chamado seio (que quer dizer “cavidade”), que imita a figura formada pela união das coxas com a cintura pélvica, o que é chamado de auto-mimetismo genital, quando uma parte do nosso corpo imita a aparência dos órgãos genitais.

Soma-se a isso o fato de que as mulheres que possuem mamas grandes teoricamente produzem mais leite para o(s) filho(s), o que aumenta a probabilidade de ele(s) sobreviver(em).

Já o acúmulo de gordura na região abdominal das mulheres tem a função de facilitar a saída do bebê na hora do parto.

Os arquétipos são parte integrante de nosso inconsciente e independem de nossa vontade; eles são o produto de milhares de anos de seleção sexual que tem por finalidade perpetuar nossa espécie.

Por isso, você mulher, que é tão arquetipicamente correta que nem consegue andar direito, quando passar por uma obra e ouvir alguém falar algo do tipo “Essa aí é pra coloca numa carruagi e começa a lambê desde o casco do cavalo! He, he, he…”, não fique irritada, pois o sujeito apenas está dando ouvidos à seus arquétipos e não tem culpa nenhuma nisso.

Anúncios
  1. Fábio
    11/12/2009 às 12:55

    hauhauahuahauhauhauahahuahauhauhau
    “Essa aí é pra coloca numa carruagi e começa a lambê desde o casco do cavalo! He,he,he”
    Sério, você já viu alquém falando isso para uma mulher?!
    hauhauahuahauahuha

    • Jacques
      11/01/2010 às 15:42

      Claro que não! Mas eu não revelo minhas fontes!

  2. 12/12/2009 às 17:55

    É por isso que a mulher melancia é considerada gost…, digo, atraente por muitos?

    • Jacques
      11/01/2010 às 15:44

      Sim, mas ela já era gostosa antes de sua auto-vegeto-denominação. Pelo menos, eu acho…

  3. coala
    16/12/2009 às 11:09

    Tenho 3 coisas a falar(as pesoas ainda falam ou hoje em dia so se tecla?). Descobriram o segredo da minha simpatia, ser gordo e cabecudo. Ta ai o motivo de eu nao me sentir atraido por “modelos p cabide” e sim pelas “gordinhas”. E que nao sou apenas eu que reclamo quando se usa o termo “seio” erroneamente.

    • Jacques
      11/01/2010 às 15:46

      Xavier, quem foi que disse que tu é simpático?

      • 11/01/2010 às 21:01

        Muita gente lá no Povo Novo acha ele simpático, viu Jacques!

  4. coala
    16/12/2009 às 11:11

    A mulher melancia e considerada atraente pois as pesoas re lembram da fruta, que é arredondada e gostosa 🙂

  5. 11/06/2010 às 04:53

    Como é que eu não tinha visto esse post antes?!?
    Acabei de descobrir que não sou um ser humano…
    Não gosto de filhotes – acho todo o filhote terrivelmente irritante e sempre enxergo eles como uma “versão ainda imperfeita” de exemplares adultos de sua raça – não gosto de carros arredondados – O fusca só é legal porque foi desenvolvido como veículo de guerra pelos alemães – meu desenho favorito quando era criança era o Space Ghost – e eu sempre abominei o pica-pau, ursinhos carinhosos, ursinhos gummy e os ewooks – e pra mim mulher bonita tem seios pequenos e cintura fina – embora ancas largas ajudem no parto, e isso sempre tenha me atraído, mais pela questão reprodutiva do que estética.

    E Seios não são uma denominação errônia para as mamas. São uma denominação corriqueira, um acordo linguístico – sei lá qual o nome real pra isso – que se tornou aceito. Para citar exemplos, tu não te refere ao escroto ou bolsa testicular no dia-a-dia, e as crianças não ficam sentadas no pescoço/peito de seus pais quando estão no seu colo…

    • 16/06/2010 às 16:20

      Aaaah não… não vai falar mal dos ewoks! Que coisa! Ninguém mais tem respeito nesse mundo?

      Tu tá muito machão Domênico! Que mentira é essa de que não gosta de filhote? Todo mundo gosta! “Versão imperfeita” parece frase do Blade Runner hehehehe.

      O Fusca é legal porque não precisa saber dirigir pra andar num. Pode bater a vontade que ele nunca amassa.

      Eu também gostava do Space Ghost e do Hulk quando criança, mas confessa que tu também assistia Ursinhos Gummy escondido!

      • Jacques
        28/06/2010 às 17:12

        Domênico,
        Os arquétipos independem de nossa vontade, eles não tem nada a ver com o “Eu acho…” e “Eu gosto…”, eles são modelos gravados em nosso dna que nos auxiliam a viver entre os demais humanos do planeta.
        E também não tem nada a ver com as bobagens que o Freud inventou para vender livros…
        Sobre os veículos, compare os calhambeques (ou fubicas) com os carros atuais; ou a Enterprise da Série Clássica com a atual, que tu pode ver uma diferença gritante.
        E “seio” quer dizer “cavidade”, segundo meu professor de Anatomia Humana.
        E sim, Rafael, eu gostava de assistir Ursinhos Gummy… Nunca me esqueço do episódio do gummyscópio, que funcionava com luz concentrada (laser!), e apontava para Nova Gumbria, Gran Ursanha e Frutanata (eta memoriazinha danada…).

  6. 14/11/2011 às 21:02

    Puxa vida! Vc acabou de dar uma explicação razoável para os bebês – que são todos Alex Kidd desde o nascimento, e com o tempo o corpinho vai “igualando” com a cabeçorra…
    E eu não sou arquetipicamente lambível desde os cascos da carruagi… nem peitos (ou seios ou mamas) eu tenho direito!
    Seu sem graça. Vou precisar de terapia depois desse post!
    😀

    • Jacques
      14/11/2011 às 21:22

      Explicação razoável nada, isso aí é Ciência.
      E não fui eu que inventei as cantadas de pedreiro, Dani, eu só passei adiante, no contexto do… texto.
      A culpa não foi minha não.

      • 15/11/2011 às 15:03

        Mentira! foi tu quem inventou as cantadas da humanidade toda, que eu sei.

  1. 10/06/2010 às 08:26
  2. 28/10/2011 às 14:22

O que você achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: