Inicial > Entretenimento > Trindades e trilogias

Trindades e trilogias

Por Jacques

As trindades aparecem em diversas religiões ao redor do mundo desde os tempos em que o graveto em chamas representava o auge da tecnologia bélica humana.

Entre as mais conhecidas estão a Deusa Tríplice (Donzela, Mãe e Anciã), na wicca, Atropos, Clothos e Lachesis, na mitologia grega, Brahma, Vishnu e Shiva, na indiana, Wurd, Skuld e Verdandi, na nórdica e Pai, Filho e Espírito Santo no cristianismo.

Os significados destas trindades são muitos: as três fases da lua (cheia, crescente e minguante), Bem, Mal e Neutralidade; Passado, Presente e Futuro; Infância, Maturidade e Velhice; Criação, Conservação e Destruição; Início, Meio e Fim; corpo, mente e alma.

Acredito que a trindade surgiu quando nossos ancestrais, no lento desenvolvimento de seus cérebros, começaram a classificar os objetos usados em seu dia a dia de acordo com sua função.

Tomemos a pedra como exemplo. A pedra que era usada para quebrar a cabeça de um animal e, assim, fornecer alimento para muitos indivíduos era uma pedra “boa”. Já a pedra que caía no pé de alguém, o cortava e fazia com que este indivíduo morresse de septicemia, era uma pedra “má”.

Com o tempo viram que a pedra sozinha não podia fazer nada além de criar limo ou sofrer erosão, e foi aí que perceberam que era a ação humana que dava a pedra o seu significado, e então criaram a neutralidade.

A Deusa Tríplice

O aspecto de uma trindade que aparece em uma trilogia é aquele que remete ao tempo de duração de uma vida humana, ou seja, Infância, Maturidade e Velhice.

No primeiro filme somos apresentados aos personagens, no segundo o bicho pega e no terceiro o bicho pega mais um pouco e tudo se resolve.

Isso, é  claro, é o que acontece em uma trilogia honesta, com começo, meio e fim e nada mais; o que é algo cada vez mais raro  no cinema comercial atual, onde a regra é realizar continuações até a exaustão e depois apertar o botão de restart.

É por isso que são poucas as trilogias dignas de serem citadas: O Poderoso Chefão é uma das mais icônicas (embora a terceira parte tenha ficado a dever), e em O Senhor dos Anéis e De Volta Para o Futuro os três filmes são um só; Matrix e Piratas do Caribe, a despeito dos muitos milhões faturados, deveriam ter ficado só no primeiro filme.

Com Blade (que originou toda a nova safra de filmes de super-heróis, para o bem ou para o mal), X-Men e Homem-Aranha ocorreu um fenômeno interessante: nas três trilogias o primeiro filme saiu convincente, o segundo foi o melhor e o terceiro deixou o pessoal se perguntando “Mas porque foi que fizeram isso?”

Se bem que no caso dos filmes de super-heróis está se repetindo o que acontece nas hqs: são feitas trocentas histórias e aquelas que prestam são lembradas, enquanto as ruins são “desconsideradas”.

O Senhor dos Anéis: trilogia honesta

Como no cinema pasteurizado e esterilizado atual tudo aquilo que faz sucesso obrigatoriamente se torna uma trilogia, podemos esperar ainda muitos cine-atentados ao bom gosto e à noção.

Sem problema, desde que tenhamos sabedoria suficiente para dar valor somente ao que vale a pena.

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

O que você achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: