Início > Artes > Lugar Nenhum, de Neil Gaiman

Lugar Nenhum, de Neil Gaiman

Por Jacques

Este livro da Editora Conrad é tão divertido e bem bolado que já teve sua versão em série de tv e em quadrinhos (pela Vertigo); o que não é de se surpreender, já que aqui Neil Richard Gaiman mostra porque chegou onde chegou.

Esta é a história de Richard Mayhew, um normalóide londrino que, um belo dia, ajuda uma garota estranha, dando-lhe refúgio temporário em seu apartamento.

Essa jovem possui um nome tão estranho quanto ela, Porta.

Seu nome vem do fato de ela ter o poder (ou “dom”) de abrir portais para qualquer lugar que deseje; e ela vem da chamada “Londres de Baixo”, que fica situada embaixo de Londres e dá nome ao livro.

Esta outra versão de Londres funciona com leis da Física (ou o que quer que eles possuam lá que seja similar a ela), regras comportamentais e tabus próprios, independentes do mundo humano “normal”; é mais ou menos como o mundo bruxo de Harry Potter ou o Mercado dos Duendes de Hellboy II.

Neste mundo cada família possui um “dom” diferente, e os ratos são considerados hierarquicamente superiores aos humanos, já que podem ir a praticamente qualquer lugar e, assim, descobrir segredos de quase todo mundo.

Sem querer, o contato que Richard teve com Porta o torna invisível aos habitantes da Londres de Cima, obrigando-o a buscar refúgio na Londres de Baixo, onde ele tem de aprender as regras de convivência ao mesmo tempo em que tenta descobrir o motivo de Porta estar sendo caçada.

Richard Mayhew na versão Vertigo

O divertido deste livro é que seu autor solta a imaginação, criando uma fictícia Londres povoada por personagens singulares, ao mesmo tempo em que explica que os nomes dos bairros e ruas da Londres normal têm sua assustadora razão de ser.

Gaiman repete aqui uma premissa recorrente em suas histórias, do mundo desconhecido que é revelado aos poucos ao personagem principal, que, desta forma, se torna uma pessoa melhor.

Mas isso é de pouco importância.

A história é divertida, bem amarrada e bem contada, e os personagens são interessantes.

No final das contas, isso é o que vale.

Anúncios
  1. 17/03/2011 às 22:33

    essa é uma das minhas histórias favoritas do gaiman. é engraçado como a “voz” de quem conta a história influi na mesma. achei a adaptação de Lugar Nenhum de Mike Carey para os quadrinhos meio sem graça… mas o livro é fantástico. gosto bastante da idéia desse reino fantástico que acontece nos chamados “não-lugares”. espaços abandonados, como tuneis de metrô, esgotos e outros. Um amigo me emprestou, mas preciso comprar o meu próprio, hehe.
    valeu, um abraço!

    • 22/03/2011 às 18:29

      Também achei a adaptação da Vertigo fraquinha…
      Não é a toa que o Mike Carey é chamado de Gaiman dos Pobres (coitado…).
      O livro é muito bom, ele consegue te convencer que o que se passa é verdadeiro e que os não-lugares realmente existem.
      Valeu.

      • Fábio
        22/03/2011 às 23:55

        Pareceu muito legal mesmo Jacks, se puder me emprestar eu agradeço.

  2. 01/04/2011 às 16:49

    Eu não tenho o livro, mas posso te emprestar Coraline…

  1. 14/09/2011 às 17:02

O que você achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: