Início > Entretenimento > Joguei 3 pila fora – parte 1

Joguei 3 pila fora – parte 1

Sábado de chuva, friozinho na rua, bolo de laranja no forno, pipoca (tradicional, não de micro-ondas), Pepsi sem muito gás… Vou ver um filme dos bons! Santa ideia, Batman! Só que nem sempre isso dá certo. Vou expor umas experiências bem ruins que tive com filmes nada bons.

O Mistério da rua 7

O filme tem 5 pessoas: o Anakin, o Peste, um guri, uma mulher e uma mandinha (guria pequena, pra quem não é de Pelotas). Eu vi até o fim e pensei: “emburreci!” Era pra ser um terror/mistério, onde uma força oculta, que se esconde nas sombras leva as pessoas pra algum lugar/dimensão, ficando apenas as roupas delas no chão (acho que leva pra um campo de nudismo). Acontece que não tem terror, nem suspense, nem nada. É esse grupinho que sobrevive num bar que tem um gerador (logo tem luz) e fica batendo boca feito big brother. O fime ainda tem uns trocadilhos: a mulher é Rosemary e ela procura o bebê dela que desapareceu. O Hayden Christensen se chama Luke. E John Leguizamo continua sendo um peste. Procurei na Internet, pra não ficar com sentimento de burrice e me apavorei com os comentários pseudo-filosóficos que li por aí. Fica a dica: não vejam.

O Fim dos Tempos

Sei que já tá até velhinho o filme, mas ainda posso salvar algumas almas de não assisti-lo. Nesse filme tem o John Leguizamo, mas juro que não tô pegando no pé dele. Eu vi Amor nos Tempos do Cólera e ele é um bom ator! Mais uma vez um suspense nonsense do Shyamalan. Os protagonistas ficam fugindo dum ventinho… Venham aqui no sul sentir o Minuano chispando na melena. O pior do filme é o Mark Wahlberg. Bah, esse cara ta na minha lista de pessoas que nunca vou ser amigo no Orkut, ao lado do Adam Sandler, Ben Affleck e Ben Stiller. Dica: veja quando estiver com sono, pra perder o fim do filme.

Gente Grande

Ai meu Deus… Por quê?! Eu mereço, pois vi um filme escrito pelo própria Adam Sandler. O que poderia esperar senão ver um filme onde ele retrata o que ele pensa dele mesmo. O personagem dele é multi-zilionário, casado com uma modelo, com filhos bem educados, com uma baita carro, e uma mansão, mas é humilde, não gosta de sustentar tamanha riqueza, quer ajudar os amigos e faz as pazes com uns inimigos de infância que parecem “caras maus” dos desenhos do Scooby Doo. Enfim, uma miss que consegue a paz mundial! Piadas clichê, já vistas em todos os outros filmes dele, incluindo a clássica “como vamos ridicularizar o Rob Schneider?”. Fica a dica: alugue pro seu cunhado ver. Não veja com ele.

O Livro de Eli

Tá, lá vou eu. Me cunhado disse que viu um filme pós-apocalíptico onde todo destino da humanidade dependeria de um livro. “A Bíblia?”, perguntei eu. “Ah, já viste o filme então?” Não! Acontece que é óbvio! Que livro seria? Mob Dick? As Rosas Inglesas? Eu curto filme pós-apocalíptico, curto aventura clichezona, mas não curto o Denzel Washington, que tá mais pra ativista de grêmio estudantil que pra ator de filme. Eu não conseguiria trabalhar com ele, cara brabo, sempre de mau humor, até quando recebeu o Óscar fez um discurso racista. Vai carpir! Dica: passe na sessão de domingo da paróquia, mas não assista. Leia um livro.

Anúncios
  1. 18/07/2011 às 11:50

    A tua citação do “bolo com laranja” me lembrou aquela famosa frase daquele nosso amigo lá de Povo Novo (um dos famosos “Pontos Cegos” do Google Earth, também conhecidos como Zonas Mutáveis):
    “É…Vou pra casa fazer um bolinho e depois vou dormir…”.
    Filmes pega ratão sempre estarão ali, Rafael, à espreita da sua carteira, só esperando uma vacilada sua.
    Um que eu vi e achei um lixo foi A Estrada, com o Viggo Mortensen, que está sempre com aquela cara de quem acabou de levar chifre.
    Destes aí eu (felizmente ou infelizmente) só assisti o Livro de Eli, que, sim, é filme pra quem é evangélico e pra ninguém mais.
    O Denzel Washington é o típico ator “piloto automático”, que só faz o que diz o roteiro e ponto final.
    Adam Sandler e Hayden Christensen (olha a frase final de Jump: “Eu podia ter te matado, mas não matei…” Morram de inveja, Nicolas Cage e Jack Palance) pode esquecer e o John Leguizamo tem uma das filmografias mais bisonhas da História.
    De pseudo intelectual a que passa a vida defendendo filme ruim a internet está cheia…
    E o pior é que os caras não ganham nada pra isso…

  2. 18/07/2011 às 12:39

    Corrigindo: é Jumper, e não Jump (que é uma música do Van Hallen).
    Neurônio é igual joelho: se você não cuida quando é mais jovem, acaba pagando o pato mais tarde…

  3. Marco
    18/07/2011 às 12:52

    Poxa, valeu pelas dicas.
    Não vi nenhum destes filmes e vou confiar na crítica, até porque, pelos atores envolvidos e pelo tema (pra mim filme apocalíptico é sempre um draminha pessoal mal resolvido em meio a um mega evento que de alguma forma misteriosa acontece, destrói tudo e a quase todos, mas acaba resolvendo o draminha pessoal dos protagonistas e familiares), devem ser ruins pacas.
    Garanto que algum destes pseudo-intelectuais chatos que o Jacques mencionou vai postar algo óbvio como, “não julgue um livro pela capa Marco”, mas vou julgar sim e não vou ver essas drogas de filmes.
    Abraços e novamente agradeço Rafael.
    Me poupou três pilas.

  4. Fábio Ochôa
    18/07/2011 às 14:52

    Vi A Estrada e achei um puta filme, Mad Max para gente grande.
    Moral da história: gosto é que nem cu…

    Fábio Ochôa (em uma vibe advogado do diabo)

  5. 18/07/2011 às 15:55

    Não quis dizer ruim de “argh, que coisa horrível, tira isso daqui, eca que nooojo” Ochôa, mas sim chato, arrastado, enfadonho…

    • Fábio Ochôa
      20/07/2011 às 10:08

      Cara, sabe que este é outro ponto que eu tenho reparado nos últimos tempos? Sério, não achei o filme chato, achei ele com o ritmo que tem que ter, não é mega-ação-videoclíptica-fodástica-michael-bay-com-tudo-explodindo-e-acontecendo-ao-mesmo-tempo-agora, ele é fundamentalmente um drama com fundo de ficção, é o pai vagando com o filho em um mundo desolado.
      Tem vários filmes que já disseram que são chatos, este, Filhos da Esperança (que acho outro puta filme), qualquer filme que tenha sido feito antes de 1990 (já me disseram que os Goonies são chatos, Os Goonies! Deus do céu! Se esta gente vê o 2001 entra em coma então).
      Sei lá, a sensibilidade (ui) do cinema mudou muito nos últimos anos. Fui ver Transformers 3 dias destes e achei chato pra cacete, são cenas impactantes atrás de cenas impactantes, uma overdose de efeitos, cenas, ação, tiroteio, explosão, trilha à toda, o caralho à quatro e no fim das contas acaba não empolgando, tu caga e anda para os personagens, se eles vão estar vivos ou mortos. Não importa.
      O draminha do pai e seu filho sobrevivendo dia após dia no fim do mundo empolga muito mais. No decorrer do filme, conhecendo eles, tu se importa com o destino deles.
      Coisas que a pirotecnia de 300 bilhões de dólares do Michael Bay não consegue fazer.

  6. Marco
    18/07/2011 às 17:38

    A Estrada eu também achei legal.
    Só em relação ao Mad Max, se é pra gente grande ou pequena eu não sei, mas aquele punk do II filme é pra lá de estranho.

  7. 19/07/2011 às 10:12

    Eu dormi no Fim dos Tempos, acordei a tempo de pegar o final e nunca fiquei curioso com o que tinha no meio. e desisti do Livro de Eli depois de uns 20 minutos de filme.

    Qualquer filme com o Adam Sandler pra mim é sinônimo de perda de tempo. Mas O Mistério da Rua 7 eu nem sabia que existia – mas já sei que vou assistir…Então, valeu, Rafael, me poupou 3 pila!

  8. 19/07/2011 às 10:45

    Essa era a intenção…

  9. 19/07/2011 às 22:15

    Oi pessoal, tudo bem?
    Por incrível que pareça, não vi nenhum desses filmes… iahuuuuu!!!! Me livrei dessa!
    O problema, se é que é um problema, é que as sinopses críticas do Rafael ficaram divertidas, e deu vontade de assistir um que outro só para rir mais um pouco… rsrsrs
    “O feitiço virou contra o feiticeiro” rsrs

    Jacques,
    bah cara! Brigadão pelo teu comentário lá no blog do Cheng, putz…. ganhei meu dia por muitos dias!!!!!!!!!!!!!!! Também acho teus comentários muito oportunos e inteligentes! valeu!

    E pessoal, um recadinho para todos vocês.
    Divulguem mesmo bastante pelo Facebook, o site de vocês, dá um retorno de visualizações bem legal! Se todos tiverem Face (viu Jacques!!!!, tá na hora cara!!!!) é uma boa, porque daí vão ser umas 10 possibilidades a mais de divulgação. Vocês são 10, não? Pensem nisso. Dá retorno. O espaço de vocês é muito inteligente e criativo. E não é bairrismo de gaúcho não!!! Tô nessa vida de blogosfera desde novembro do ano passado, nesse pouco tempo já vi de tudo, mas o espaço de vocês está entre os mais inteligentes e criativos até agora! Invistam nele!!!!!!
    Beijos a todos!

    • 20/07/2011 às 08:50

      Aaah… depois não diz que não avisei, viu?

  10. 19/07/2011 às 22:17

    Xiiiii!!!!! Corrigindo… vocês são 11. Mas não era 10???

    • 19/07/2011 às 23:16

      Aqui é que nem os Mosqueteiros. São um monte, só três são famosos, mas o melhor é o
      D’ Artagnan.

      • 19/07/2011 às 23:25

        Perdoe minha ignorância literária Marco, mas porque raios o melhor é o D’ Artagnan?
        Eu to vendo que vou me arrepender…

      • Fábio Ochôa
        20/07/2011 às 11:27

        É mais ou menos que nem os 300 de Esparta. São 300, mas eu só vi 26.

  11. 19/07/2011 às 23:34

    Sei lá. Foi só uma observação sobre o sujeito que tem o nome mais lembrado do que Athos, Porthos e Aramis. De minha parte, prefiro a Lady casada com o Athos.

  1. No trackbacks yet.

O que você achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: