Início > Entretenimento > Inferno sobre Rodas, Hell, Yeah!

Inferno sobre Rodas, Hell, Yeah!

Uma das minhas melhores leituras dos últimos tempos, foi o livro-reportagem Hells Angels, do repórter sui generis Hunter S. Thompson.

 

 

A título de informação, Hunter foi o pai do jornalismo gonzo, uma escola jornalística que em vez de pesquisa, propunha imersão total no assunto a ser coberto, sempre de maneira totalmente opinativa sem ligar nem um pouco para a famosa (e ilusória) imparcialidade da imprensa.

 

 

Contratado pela Rolling Stone, para fazer uma matéria sobre o fenômeno dos Hell Angels, então o mítico terror da América ordeira, Thompson não teve dúvidas, fez a mochila e foi conviver ao longo de um ano junto com os fora-da-lei até ser aceito em suas fileiras.

 

 

E aí está um dos grandes pontos do livro, ao mesmo tempo que narra seu cotidiano ao lado de um dos bandos mais perigosos dos anos 60, Thompson nunca se furtar de teorizar sobre as motivações de cada um, sempre com um fino senso de humor e perspicácia cortante, às vezes tão brutal a sua maneira, quanto o dia-a-dia presenciado.

A vida não é bonita e Hunter não faz questão nenhuma de maquiá-la, ao mesmo tempo ele se isenta de qualquer julgamento moral do que presencia.  Ele a aceita como ela é.  Ponto.

 

 

Com sua escrita completamente subjetiva, brutalmente franca e subversiva, os coquetéis cavalares de drogas e álcool aliado a seus métodos tortuosos de caçar histórias, Hunter Thompson foi uma das bases para o personagem Spider Jerusalém da série Transmetropolitan de Warren Ellis, que honra a tradição de boa leitura que cerca nosso intrépido e torto repórter.

Para quem quiser conhecer mais sobre esta figura singular da literatura mundial, recomendo o filme Medo e Delírio em Las Vegas do não menos alucinado Terry Gillian, onde o ex-Monty Python dirige Johnny Depp como Thompson e o livro que serviu de base para a obra, Las Vegas na Cabeça.

 

 

Na estante, está esperando O Diário do Rum, versão L&PM, que também vai virar filme este ano, com Johnny Depp reprisando o papel.

Anúncios
Categorias:Entretenimento
  1. Jacques
    21/10/2011 às 14:44

    Valeu a dica, Ochôa.
    E não é que o cara é a latinha do Spider Jerusalém?
    Ou do Grant MOrrison?
    Ou ambos?

  2. 21/10/2011 às 17:45

    Muito interessante mesmo.
    Sabe que esta tendência de jornalismo imparcial de cunho positivista é muito nossa. Em outros países, incluindo os EUA, existem discussões bem pesadas sobre isso e a quase aceitação tácita de que o jornalismo de opinião e não verdadeiro é a marca do bom profissional.
    Gosto dessa ideia.

  3. Fábio Ochôa
    21/10/2011 às 17:46

    Sim, sim, tem um monte de medalhões que seguiam essa linha, o Gay Talese, o Tom Wolfe, o Truman Capote.
    Só li o Capote, achei bom, meio afetado, mas bem fluído.
    Recomendo.

  4. Fábio Ochôa
    21/10/2011 às 17:48

    E realmente, puta que o pariu, Jacques, ele é a cara do Grant Morrisson.

  5. Duda Ribeiro
    19/02/2012 às 19:56

    Nunca li nem assisti, mas não é de hoje minha curiosidade! Grande abraço

  1. No trackbacks yet.

O que você achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: