Início > Entretenimento > Pequeno Guiazinho dos Quadrinhos Fantástico Cenário (Parte 9)

Pequeno Guiazinho dos Quadrinhos Fantástico Cenário (Parte 9)

41. Mundinho Animal

Os últimos anos tem sido marcados por uma renovação no humor nacional, para o bem ou para o mal.

Passando pela grade de humor do Multishow até programas mais populares como CQC e Pânico na TV!, pela proliferação de humoristas stand-up e das tiras pela Internet, um dos maiores destaques tem sido Arnaldo Branco e seu Mundinho Animal, disponível no site www.oesquema.com.br/mauhumor .Com humor mordaz e ácido, Branco destrincha nosso ambiente cultural, marcado por modismos absolutamente estúpidos e um autêntico panteão de celebridades de quinta.Você não vai gargalhar, mas é impossível ler as tiras sem formar um sorriso irônico no rosto.Um dos melhores caminhos são as tiras Mundinho Animal, de Arnaldo Branco, focando no meio cultural, traço incômodo.E o mais complicado é que em 100% dos casos é impossível não concordar com as cáusticas observações de Branco.Se ao fim da leitura você se pegar concluindo que o homem é um animalzinho muito patético, não se surpreenda, é sinal que sua sensatez está em dia.

42. Concreto

Um dos achados mais geniais e discretos dos anos 80.Concreto, de Paul Chadwick, subverte todas as regras de quadrinhos de super-heróis: são histórias lentas como rocha, reflexivas, mas que em vez de resvalar na filosofia rasa, trata de considerações válidas e práticas sobre o homem e nossa sociedade.Trata basicamente da história de um homem abduzido e aprisionado em um corpo de rocha completamente auto-suficiente. E tudo que ocorre com ele a partir daí.Se você pensou grandes aventuras, pode esquecer, o foco é seu cotidiano, se você pensou que deve ser chato, não sabe o que está perdendo. A habilidade de Chadwick em revelar os personagens gente-como-a-gente imersos em um cotidiano com pequenos toques de fantástico é exemplar.Muitos que vieram depois, como Kurt Busiek, Michael Brian Bendis e outros, devem um pouco de seu quinhão à trilha aberta por ele.Concreto é um dos grandes momentos da Dark Horse e um dos momentos mais inteligentes dos comics norte-americanos.

43. Três Sombras

Não importa o quanto você leia, sempre vai surgir algo que vai lhe impressionar.Algo que vai relembrar o potencial dos quadrinhos como mídia, e como este mesmo potencial é frequentemente inexplorado. Algo que vai lhe dar a impressão que há quanto tempo você não lê uma história boa de verdade.É o caso de Três Sombras.Em um tempo indefinido, um fazendeiro vê três sombras no horizonte.A cada dia, elas estão mais perto e à medida que avançam, surge uma certeza: elas estão lá para levar seu filho.A partir desta descoberta, acompanhamos a jornada épica de um homem comum, desesperado para salvar sua criança, em uma luta contra o imponderável e é este o suporte da história que a torna tão especial: até onde um pai iria para salvar seu filho?O roteiro ótimo faz par perfeito com a arte espetacular do português Cyril Pedrosa, em uma história que surgiu após o autor acompanhar a readaptação da família de um amigo próximo, á morte do filho.Um dos grandes momentos dos quadrinhos, recomendado para ter na estante.

44. Laerte Coutinho
Se o Brasil fosse um pouquinho mais justo, iria reconhecer uma coisa: Laerte é um dos maiores gênios dos quadrinhos.E o homem tem uma versatilidade assombrosa.Do Laerte dos anos 80, que capitaneava a revista Piratas do Tietê, ao mesmo tempo que se desdobrava em dezenas de personagens diariamente na tira Condomínio, ao Laerte dos anos 90, das Striptiras, de Deus, da Suriá, a Menina do Circo, das histórias fechadas experimentais e geniais, o Laerte pós-2000 com seu Manual do Minotauro, com a Andorinha Lola, com seu experimentalismo poético, como resposta à uma tragédia pessoal: a perda do filho.Laerte é um gênio, gênio do traço e das palavras.Os argentinos tem Quino, os americanos, Will Eisner, os franceses Moebius e os japoneses, Tesuka. Nós temos Laerte.
45. Ronin
Eu sei que é vergonhoso, mas eu fui fã de Frank Miller.
Isso só não é pior, por dois motivos:
1) Muita gente também era (e alguns são até hoje).
2) Ele era o melhor autor de quadrinhos mainstream daquela época, perdendo talvez apenas para Alan Moore, que estava no auge da forma na mesma época.
Com a posição já estabelecida na indústria com as vendas astronômicas da sua primeira passagem pelo personagem Demolidor, Miller ousou tentar ir mais longe.
Ronin foi a primeira grande tentativa de se aproximar dos autores europeus e japoneses que ele tanto admirava.
Na mini é possível ver claramente a influência de Enki Bikal, Moebius e Gozeki Kojima.A história de um samurai futurista é ótima, não o melhor de Miller, mas mostra claramente sua disposição em correr riscos na época.
Formato luxuoso, traço fora dos padrões, cores estilizadas, é um bom protótipo de tudo que viria depois.
E, claro, foi um retumbante fracasso de público e crítica na época de seu lançamento.
3 anos depois, Miller tentaria novamente atingir um público mais maduro e refinado com o Cavaleiro das Trevas e o resto, bem, aí sim o resto foi história.
Anúncios
Categorias:Entretenimento
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

O que você achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: