Início > Entretenimento > Doctor Who

Doctor Who

Doctor Who é uma série inglesa, produzida pela BBC, que virou modinha na Internet, principalmente no site reddit, que eu participo, criando uma onda cult em torno do tema, que estourou em tudo que é site com os mais diversos produtos entre camisetas, action toys, capas para celular e até sabonetes.

Eu já revelei que não sou muito fã de séries, não consigo acompanhar por não ter muita paciência. Achava que estava escolhendo as séries erradas, então resolvi ver essa, muito comentada.

Aluguei o primeiro DVD da série atual (2005 em diante) e tive um choque emocional! Assisti ao primeiro episódio e não acreditei que era aquilo que estava virando febre na Internet. Cheguei a olhar os crédito e pesquisar se eu não tinha alugado a série errada. Não. Série certa, pra pessoa errada.

O primeiro episódio, intitulado Rose, começa com Rose, vendedora de uma loja de roupas, que misteriosamente é atacada pelos manequins da loja (!) Uau, que plano maligno do mal! Nem o Plankton do Bob Esponja teria pensado num plano desses. Enfim, do nada, aparece um cara, que se apresenta apenas como “Doctor”, com direito à infame piadinha “Doctor Who?” O doutor salva Rose, que vai pra casa com um braço de manequim neutralizado, enquanto que Doctor explode (!!) a loja pra acabar com os manequins. Xô Meninas Superpoderosas… Tem gente explodindo essa cidade já.

Plano infalível do Cebolinha?

No dia seguinte, Doctor aparece na casa de Rose com um “detector de plástico”(!!!) e se livra do braço que retoma a “vida”. As piadinhas já estavam me dando um ataque cardíaco, mas a melhor cena é a que a mãe (mega encalhada) da Rose dá em cima do Doctor, um total estranho, que pega ela de camisola no quarto.

Detector de plástico: muito útil!

Nenhum filme ou série é completo sem um nerd da Internet que sabe tudo sobre o assunto, mas ninguém lhe dá bola. Pois é, aqui também tem. É uma maneira bem simplista de inserir o histórico dos acontecimentos ao público. Na minha opinião isso até ofende a inteligência de quem tá assistindo, pois entrega tudo picadinho, é só engolir. E, é óbvio, o nerd morre!

O Nerd que explica pro expectador burro toda a história

A série, que já estava com piadas inglesas demais pro meu gosto, dá um pulo rumo “Turma do Didi”, quando o namorado de Rose, Mickey, é engolido por uma lixeira (de plástico) que estava andando pela rua e é substituído por um sósia também de plástico, que a Rose nem percebe (!!!!).

Tá, agora sério… Foi o Didi quem dirigiu essa cena, né?

Um monte de bobagem acontece e Doctor salva Rose estourando uma garrafa de champanhe, fazendo a rolha cravar na cabeça do namorado de borracha (o Mickey, não isso que vocês estão pensando…) de Rose. Detalhe é que só a rolha salta, a champanhe não jorra. Desperdiçar pra quê?

Essa doeu em mim

Rose não se abala pelo fato de seu namorado estar morto e a série de piadinhas inglesas continua até ela e Doctor chegarem numa bacia gigante de plástico derretido (o chefão, a mente criminosa por trás disso tudo). Lá eles salvam Mickey, que foi teleportado pela lixeira. Sem reação, por descobrir que seu namorado está vivo, Rose chega ao clássico dilema de adolescente de filme de Sessão da Tarde sem mote, concluindo que não fez faculdade, não tem emprego, sua vida sucks, então vou arriscar tudo e salvar Doctor. Eles jogam “antiplástico” (!!!!) na bacia e o chefão morre (sim, eu também fiz essa mesma cara que vocês estão fazendo agora).

Antiplástico: não saia de casa sem ele

Aí, sem a menor motivação, Doctor chama Rose pra acompanhar ele na TARDIS, uma cabine telefônica dos anos 50, que emana uma luz azul de dentro, que deveria servir de disfarce para sua nave espacial/máquina do tempo, que tem espaço interno maior que o externo, no melhor estilo casa do Scooby Doo. Rose larga o namorado morto-agora-vivo e vai com o doutor alienígena. O que a motivou? As piadinhas, eu acho.

Discrição é tudo!

Resumindo:

Namorados morrem, dane-se.

Plástico é um ótimo inimigo (pros Power Rangers).

Se teu inimigo invadiu a loja onde trabalha, exploda ela toda.

Se sua vida é uma M… e sua mãe se atira pra qualquer estranho que entre na casa, você não tem nada a perder.

Anúncios
  1. 28/09/2012 às 15:44

    Poxa vida, que decepção.
    Eu andei pesquisando sobre essa série e até li algumas frases bem legais do Dr. (um de pega-rapaz na testa, não esse aí), mas se o clima da série é esse de vilões idiotas com planos debilóides, então é melhor deixar pra lá.
    E acho que de humor inglês só o Monthy Python se salva, pelo jeito.
    Acho que esse é mais um exemplo de seriado burro que consegue se passar por nerd, já que, hoje em dia, pra muita gente, ser nerd é assistir e rir de piadinhas sem graça e usar todos os badulaques relativos ao que se está assistindo.
    É por isso que eu ainda fico com as hqs.

    • 28/09/2012 às 23:48

      Falaste tudo que eu penso, Jax. Hoje em dia ser nerd é fingir que “curte” algo pseudo-inteligente, com frases de efeito e teorias mirabolantes. Eu aluguei bem empolgado e me decepcionei muito. Esse episódio é de 2005. Não sei como tá a série hoje, mas se tenho que passar pelos primeiros episódios pra assistir aos atuais, prefiro não ver nada.

    • 20/01/2014 às 01:52

      não tinham recursos pra fazer a série voltar com tudo em 2005, então ficou meio zuada essa primeira temporada, que foi feita meio que pro público infantil. Então não se deixe levar pelos primeiros episódios. Se quer um bom, eu lhe recomendo o episódio 10 da 3ª temporada

    • 21/01/2014 às 14:20

      O primeiro ano da série atual foi realmente ruim, mas era porque a série estava voltando depois de anos. O segundo ano já é bem melhor! E não é uma coisa de “hoje em dia”. Essa série tem 50 anos! Se uma série de 5 anos já tem altos e baixos, uma de 50 também tem. E com certeza, essa temporada não é das melhores, mas depois melhora muito!

    • 21/01/2014 às 16:30

      bom você não pode achar isso so pq um cara qualquer viu so o 1° epi da série 🙂
      se ele visse da 2° temporada em diante vcs iriam perceber q essa série é muito boa.
      não acredite em criticas de uma pessoa q so viu o 1° epi .

  2. 01/10/2012 às 17:25

    Poxa, eu andei até meio preocupado com essa série. Me foi indicada como “uma das melhores coisas já produzidas” por um amigo, e uma amiga me disse que era “Inteligente, bem-humorada e com referências à tudo que é legal!”. Recebi de presente todos os episódios da série de 2005 até 2010. Legal. Sentei pra assistir esse primeiro episódio, e minha reação foi a mesma do Rafael. É debiloide. Bom, um tempo depois, fui falar com esses amigos que idolatram a série, em uma roda de conversa, e dei minha impressão. Foram todos (os que assistiam a série) unanimes em dizer que eu não tinha pego o “espirito da coisa”, e que eu devia dar outra chance pra série.
    E eu, muito burro, meio ano depois de ter travado logo no primeiro episódio, fui dar outra chance pra série – estava sem nada pra assistir também, então seria um passatempo, teoricamente.
    Assisti todo o primeiro ano.
    Minha opinião? É retardado. Continua sendo tão… Sei lá, Scooby-doo quanto o primeiro episódio. Produção ruim, roteiros fraquíssimos, atores medíocres e tramas simplesmente imbecis. Não entendo o “humor” da série, e ainda me irrita o fato de ter a intenção de ser uma trama megalomaníaca.
    Lixo britânico, da melhor qualidade.
    Ah, sim, a minha preocupação com a série, como eu citei lá em cima, é pelo fato de que, aparentemente, eu era o único retardado que não conseguia achar a série maravilhosa. Ainda bem que não é o caso!

    • 01/10/2012 às 17:35

      Bah Domênico! Coisa boa ler isso de ti, que considero bastante. Acho que temos um gosto bem parecido e fiquei realmente contente de ler teu parecer.
      Eu juro que me senti muito retardado vendo o primeiro episódio. Pensei: “burro! Pegaste a série errada!” Fiquei pasmo com a babaquice das piadas, trama, interpretações (putz, nem falei das interpretações! Dignas de fazerem Smallville e Barrados no Baile receberem o Oscar!)… Tudo muito podre. Aquilo não poderia ser o que todo mundo está elogiando na Internet.
      Pra mim, é uma tentativa de parecer cult, ou geek, falando de teorias (imbecis) de viagem no tempo, pincelando teorias dos anos 60 e 70 de física, sobre multi-dimensões, há muito derrubadas por teorias mais modernas (cordas e expansão-colapso) dos anos 80.
      Não entendi também o “humor” da série e, já que também não entendeste, me sinto menos fora da casinha.
      Abração, cara!

  3. Fafá
    02/12/2012 às 15:12

    A 1ª temporada da série atual é podre mesmo, mas a coisa muda quando entra o outro Doutor. Vocês não deviam falar tão mal se não assistiram os episódios que se seguem depois da 1ª temporada. Eu comecei a assistir pela 2ª temporada porque todos falavam que a 1ª era muito chata. As pessoas nunca iriam perder tempo com algo que é ruim ou péssimo. Falar que a série é decepcionante é mancada, porque vocês assistiram somente à 1ª temporada, a mais fraquinha!

    • Gabriela
      02/12/2012 às 15:27

      Concordo com você, Fafá. A série é cheia de história, cheia de trama e inteligência, faz com que imaginemos o Universo e tudo o que contém nele. Realmente, a primeira temporada é a pior, na minha opinião, mas o problema é que as pessoas fazem julgamento justamente pela primeira temporada, o que é meio equivocado. A série tem humor, é só você entender; a série tem ótimos atores, é só assistir a outros filmes dos atores para ver do que eu estou falando; a série não é “para nerds”, ela foi rotulada assim por pessoas que não sabem o que dizem, pois a série é direcionada a todos os tipos de públicos, tanto nerds quanto imbecis; os produtores não tiveram a intenção de produzir “uma trama megalomaníaca”, mas de produzir algo que agradasse o público disposto a ser receptivo; e agora, o mais importante, a série existe desde 1963, ou seja, é a maior série do mundo. Então podemos concluir que se a série faz sucesso até hoje só pode ser graças aos nossos pais e avós. Allons-y e beijos!

      • 03/12/2012 às 05:57

        Fafá e Gabriela, bem-vindas (ou bem-vinda, já que é a mesma pessoa que escreveu como se fossem duas). Todo mundo tem direito a expressar se gosta ou não de determinado assunto. Eu não gostei de Dr. Who. Quando Lost estava no auge, eu também não gostava e quase fui fuzilado em praça pública, pois nã tinha cabimento alguém não gostar de Lost.

        Dr. Who virou modinha de Internet. Acho que uma série com esse tipo de piadinha à lá Turma do Didi não merece a fama que tem. Na minha opinião, é uma série ruim, idolatrada por um bando de hipsters, que se deixaram levar por uma bem engendrada campanha midiática. O mesmo aconteceu com Avatar, que é um filme podre de tão ruim, mas que virou o melhor filme dos últimos tempos da última semana, como tantas outras coisas – sutilmente – empurradas pra cima da gente e engolidas por quem não tem um pingo de senso de crítica.

      • 14/01/2013 às 23:04

        Eu não disse em momento algum que só vi a primeira temporada. Eu disse que assisti a primeira temporada de uma sentada, o que é diferente.

        Mas, vejamos: As pessoas que me indicaram a série me disseram justamente “assista a partir do primeiro episódio, porque assim tu te situa na série”. Bom, se o primeiro ano inteiro de uma série é ruim…. Que posso fazer? seguir assistindo é meio que idiota, exceto se tu não tem nada pra fazer (levanta a mão se alguem pergunta quem já fez isso).

        Sim, Dr Who é a série mais longa da história. Lassie tem 23 temporadas. Malhação tem 4500 episódios, o que dá umas sete vezes e meia o número de episódios de Dr Who. Law & Order teve 20 anos de duração. Isso atesta que a série é boa? Não creio. Dr Who teve vários momentos ruins (temporadas inteiras sem conseguir lucro, além de vários anos de interrupção por desinteresse do público) e voltou porque fazer releituras é moda, e essa virou cult automático porque é famosa na inglaterra.

        Só como detalhe de chato: Star Trek tem 709 episódios distribuidos em 28 anos de série (sem contar com as versões animadas); ao todo, mais do que Dr Who (que teve 790 episódios no total, mas 106 deles foram jogados fora pela BBC, pra tu ver como a série é importante…) contando com 33 anos de série no total. E considerando que o Dr teve 11 diferentes intérpretes, com dezenas de personagens de apouo mudando o tempo todo e roteiristas/produtores às dúzias, dizer que é uma série só é coisa pra inglês ver (sem pedir perdão pelo trocadilho).

        Finalmente, o que eu quis dizer com “megalomaníaco” é que praticamente todo episódio se trata de salvar o universo, ou ao menos o planeta terra. É chato demais ver vilões sem nenhum tipo de inteligência sendo quase bem sucedidos em destruir o continuum espaço-tempo só pra serem derrotados por um inglês burro em um a cada três episódios. É ainda pior que séries “mosntro da semana”, que as vezes apresentam algum roteiro inteligente ou divertido.

        Em tempo: Sou fã de Monty Python, incluindo aquela debiloidisse do Flying Circus, e adoro humor inglês. É or isso que não gosto de Dr Who.

    • NanaWho
      20/01/2014 às 13:01

      Aí só fala do primeiro episódio e nem sempre primeiros episódios são bons.. :/ Aí julgam uma série maravilhosa por uma coisa quase que irrelevante.

  4. Gabriela
    03/12/2012 às 12:40

    Na verdade, eu tava na casa da Fafá, por isso rssrrsrs Mas cada um tem sua opinião.

  5. Airoh
    20/01/2014 às 02:28

    Meh… sua opinião é justa. Quando eu vi o primeiro episódio eu pensei: “Porque diablos eu tenho Netflix?”. Mesmo assim eu continuei vendo porque, bem, eu tava pagando por isso. Hoje eu não me arrependo de ter visto a série porque ela realmente fica excelente mais tarde, isso porque o enredo fica até complexo (não estilo Clube da Luta, mas dá pra se surpreender um pouco). De qualquer forma, duas coisas me desagradam na série: lá pela 6ª temporada dava pra sentir que essa série inglesa tava um pouco americanizada. Outro detalhe é a horda de fã do estilo “o Doutor é lindo vou me casar com ele”. Nada contra a série virar modinha, eu até gosto porque fica mais popular, mais falada, mais grana, mais qualidade. Mas isso enche o saco mesmo assim. De qualquer jeito, acabo de perceber que você publicou isso 2 anos atrás mas escrevi um belo texto médio aqui, então vou publicar mesmo assim. Boa madrugada.

  6. Sabrina
    20/01/2014 às 08:43

    Olha, Doctor Who é uma série boa por causa dos clichês e piadinhas, e não adianta você pegar um episódio que foi feito para homenagear um episódio da série antiga, por favor né? A série é boa sim, tudo bem que esse episódio foi fraco, mas porque ele é uma HOMENAGEM! Os outros são bem melhores, porque desta vez estão mais atualizados. Todo mundo tem a sua opinião, mas Doctor Who é ótimo sim, ok? Tem mais de 50 anos e na minha opinião e na de outros whovians ainda é boa. Sorry, mas o que você falou não tem nexo. Principalmente a parte da modinha, se fosse modinha eu teria um monte de amigas, amigos e etc whovians, mas não, só tenho uma amiga e o meu pai como whovians. Então pensa direito antes de falar bobagens. Sua opinião pode ser uma coisa que os outros achem correta e tudo mais. Mas eu não acho. Bom, essa é a minha opinião sobre esta postagem.

  7. Aninha
    20/01/2014 às 09:59

    Li minuciosamente o seu texto, sou fã da série, o pilot foi realmente estranho.
    Mas você assistiu o Season finale, como as ideias foram se interligando incrivelmente?
    Antes de criticar uma série,por favor, ASSISTA A MAIS TEMPORADAS, antes de falar porcaria como você fez agora.
    Recomendo o episodio Blink da 3° temporada, assista, e ai sim, depois você critica, mas primeiro, antes de fazer uma critica absurda como essa, ENTENDA ESSÊNCIA DA SÉRIE. E Doctor Who não é modinha, modinha é Glee, The Big Bang Theory e outras mais, então, preste atenção antes de comentar porcaria! 😉

    • Airoh
      20/01/2014 às 16:54

      É modinha sim cara. Faz 2 anos que entrou nos quesitos de ser modinha. E daí que é modinha? Vai deixar de gostar da série por causa disso?

  8. Adrii
    20/01/2014 às 10:07

    Alguma serie que você gosta já completou 50 anos??? então quando ela completar venha falar comigo.

    • Airoh
      20/01/2014 às 16:57

      Duração de série não quer dizer qualidade. Doctor Who foi quase cancelado nos anos 90 porque começou a ficar ruim nos anos 80. Dizem que o filme é um fiásco. Smallville durou 10 anos e foi uma série mais ou menos. Breaking Bad teve 5 temporadas e foi fodástico. TBBT tem 7 temporadas de piadas ficando cada vez mais sem graça. Arrested Development teve 3 bons anos de alta qualidade.

  9. Vitor, líder do fã clube do PI
    20/01/2014 às 10:11

    Ok! Ok! Foi a crítica mais inútil q já vi sobre DW. Não vou mentir, o primeiro ep da atual é uma bosta. Mas, os Autons são da série clássica, CLÁSSICA, pq os efeitos das 1, 2 e 3 temporada são horríveis? Pq a BBC não tinha mta renda para bancar o rebot da série.
    Se eu tivesse levado em conta DW pelo ep Rose, nunk tinha continuado a assistir. Kra aguente firme até o final. Uma série q tem 50 anos de história e tu vem falar isso… Pqp!
    DW não tem lógica e te deixa encucado com mta coisa.
    Só sei q li mta merda, vinda de ti por hj, man. Próxima vz assiste tudo TUDO pra fazer uma resenha q preste. Vlw! Flw

  10. Brenda
    20/01/2014 às 10:47

    Quanto chorume num post só. Deixa desse ódio por DW. A primera temporada é fraca, mas não é de todo mal. O resto da série é fantástica. Uma pena que tu julgues a série só por esses pontos aí. Péssima crítica 🙂

  11. 20/01/2014 às 10:57

    Olha, eu sou fã da série. Do tipo que está assistindo a série clássica (começou em 1963, então imaginem os recursos para “defeitos especiais” que tem de monte). Do tipo que curte as histórias paralelas, do tipo que conseguiu sobreviver a primeira temporada e ainda ontem estava revendo o especial de 50 anos da série.

    De boinhas, falar sobre a série comentando só o primeiro episódio do revival da mesma, sem apresentar os personagens principais de fato (o Doutor e a TARDIS), é o mesmo que falar que Malhação é legal comentando dos atores atuais e esquecendo do Mocotó.

    A proposta inicial de Doctor Who (pasmem!) era uma série infantil, que foi tomando ar de sci-fi e com algumas histórias com temáticas mais sérias (na primeira temporada tem o “Father’s Day” e o “The Empty Child”), os monstros que foram surgindo são marcantes (você falou dos bichos de plastico bleh e não comentou nada sobre os Daleks, por exemplo, que aparecem na primeira temporada e são da clássica).

    Veja “Blink”. É com o 10º Doutor (que eu particularmente não gosto, mas o episódio é fantástico). Chore com “Doomsday”. Explique quem é o Doutor, o porque dele viajar no tempo e no espaço com a TARDIS, ou o porque da mesma parecer uma cabine de telefone de polícia dos anos 60. Conheça mais, pesquise antes de falar que é só uma modinha.

    Se fosse modinha, a mãe de uma amiga minha não teria visto ela vendo no computador e soltado a pérola “eu conheço a série, assistia a série antiga.” Conheça melhor antes de falar.

    E sim, a primeira temporada da série atual não é das melhores. Mas foi a que me apresentou a série. Mesmo com a tosquice dos “homens plástico”.

  12. Gabriele
    20/01/2014 às 12:11

    Tais parecendo aqueles caras que fogem de tudo que é modinha pra não se tornar mais um igual na sociedade (leia-se chato);
    A série é muito boa, muito bem bolada. O fato dos primeiros episódios serem tão fraquinhos é porque originalmente a série era produzida pra crianças e quando ela retornou, o publico alvo se manteve e infantilizaram o máximo possível.
    Depois de um tempo, os produtores perceberam que quem estava assistindo eram os antigos fãs e, assim, foi melhorado o conteúdo e os roteiros tornaram-se mais complexos e elaborados.
    Julgar uma série inteira por uma temporada que todos avisam ser ruim é meio precipitado e arrogante.

  13. Thaís
    20/01/2014 às 13:50

    Você assistiu só isso, não conhece a história da série e já se acha no direito de falar isso? Só vou falar uma coisa: Não é à toa que a série tem mais de 50 anos, e o pessoal deveria dar uma chance antes de desistir por causa deste post. Realmente não é pra qualquer um, e o retorno não foi lá o melhor do mundo, mas a série é incrível.

  14. Rosa
    20/01/2014 às 13:53

    “Seu argumento é invalidado logo no primeiro parágrafo, quando afirma não gostar de séries. É a mesma coisa que pedir para uma pessoa que só gosta de comédias americanas babacas assistir e avaliar Star Wars”

  15. BRENDA
    20/01/2014 às 14:24

    ESSA SERIE E DEMAIS AMO E CLÁSSICA ANTES DE CRITICAR ASSISTA OS MAIS DE 50 ANOS DE SERIE, DOCTOR WHO TEM VÁRIOS RECORDS E UMA SERIE UNICA NÃO DA PRA DIZER QUE SE PARECE COM ESSA O AQUELA ………….WHOVIAN COM MUITO ORGULHO

  16. Sah
    20/01/2014 às 14:55

    Pior crítica que eu já li! Como uma pessoa, assistindo apenas a primeira temporada da série(que foi feita em 2005, sem muita verba e onde o público ainda era infantil) pode fazer qualquer comentário sobre ela? Você não explicou sobre a TARDIS, sobre a viagem no espaço tempo, sobre os personagens… Só julgou a série por um único episódio(o primeiro, e que foi baseado na série clássica) e falou besteira.
    Sério, assiste direito e depois comenta.

  17. Mel
    20/01/2014 às 15:02

    Beleza então você assiste UM episódio de uma série que está no ar a CINQUENTA ANOS e se acha no direito de sair falando qualquer coisa que você entendeu (OU ACHA que entendeu) do primeiro episódio? filho, assiste a série inteira, e depois a gente conversa tá?
    e sobre as piadinhas sem graça, as suas sobre a série foram piores.

  18. Airoh
    20/01/2014 às 17:00

    Cara, talvez algum dia você vai ler meu comentário então vou te explicar o que houve. Esse bando de fanboy chato que apareceu pra descascar você é porque uma página no Facebook do Doctor Who colocou sua crítica negativa da série e incitou indiretamente essa revolta de fanboy chato que não entende o porque da sua crítica negativa. De qualquer jeito, eu apoio sua crítica negativa porque o primeiro episódio de uma série deve ser aquele que te faça querer ver os próximos, e “Rose” sem dúvida peca em qualidade.

  19. 20/01/2014 às 19:51

    Então cara, andei lendo sua postagem…
    Creio que você só assistiu um episódio, certo? Ótimo cara. Antes de ir procurar outros episódios como Blink, The end of Time ou qualquer outro, você simplesmente viu um. Calma, pra começo de conversa, você não deve julgar um livro pela capa. Doctor Who teve toda uma evolução e por mais que sua crítica tenha sido uma péssima e horrível crítica, não para nós, e sim para você. Você não sabe o que está perdendo e outra, a sua crítica não vai influenciar ninguém.
    O ”detector de plástico” se chama Sonic Screwdriver primeiramente, ok? E não serve só necessariamente para plástico, serve para tudo, menos madeira.
    Você simplesmente seguiu a pior maneira para ”criticar” algo. Que tipo de crítico é você? Temos 50 anos de série para você checar e ver que Doctor Who não é só isso. Se você nos acha noobs ou hipsters que assistem a uma série idiota? Não, você não sabe o que está perdendo. Doctor Who é muito mais do que sua crítica sem lógica e sem nexo, sem cautela, sem estudo, enfim, você simplesmente não teve o olhar crítico, do verdadeiro crítico. Eu conheço vários críticos e todos eles procuram ver a ”coisa” em um todo. Não se julga o livro pela capa, assim como não se julga a série por um episódio.

    Temos muitos episódios, quer assistir algo de Doctor Who que possa incentivar? O especial de 50 anos está aí, assim como vários outros episódios. Eu só digo que você está perdendo a chance de assistir algo bom, e que você realmente não sabia nada da série antes de assistir.

    Detector de plástico? Bacia com chefão? Que tal Sonic Screwdriver ou Consciência Nestene? Você é simplesmente o pior critico que eu já vi até agora. Espero que suas outras criticas sejam melhores do que essa, porque essa foi realmente podre.

    E sim, eu senti uma breve vontade de esfregar nossos 50 anos de série em sua cara e mostrar o quanto somos brilhantes. Moffat não erra no que faz, nem Russel T Davies errou, nem nenhum roteirista, diretor, ator ou o que seja da equipe. Quem errou foi você, por julgar um livro pela capa.

  20. Matheus
    20/01/2014 às 19:55

    Keep Calm e deixa de recalqu

  21. 20/01/2014 às 20:12

    Cara, quando comecei a assistir achei bem bobo mesmo, mas resolvi dar outra chance pra série. As duas primeiras temporadas são bem ruins mesmo (pq a série não tinha dinheiro o suficiente pra voltar com tudo, pq parou de ser produzida por um bom tempo por falta de grana, e também pq a atriz da Rose é meio ruim mesmo :p ) Mas a partir da 3ª temporada a série melhora e muito, dê outra chance pra ela, não é pq vc assistiu SÓ UM EPISÓDIO que vc vai julgar a série inteira né? Já ouviu falar na frase: “Não julgue um livro pela capa” ?
    Pois é, essa frase é perfeita pra vc.

  22. 20/01/2014 às 20:14

    Seu embasamento para escrever uma crítica de uma série é totalmente inaceitável. Primeiramente por se falar de Doctor Who, série essa que está no ar há 50 anos. Se realmente não fosse boa, creio que já teria sido cancelada. E não se julga uma série pelo primeiro episódio. Sendo assim, você considerou Breaking Bad (série aclamada pela mídia internacional e vencedora de vários prêmios, se é que você assistiu) uma bosta? Porque o episódio só lhe prende no final. Pare de falar o que você não sabe e principalmente, para de julgar algo que você não deu a chance de ver por completo. Quer ver um episódio ótimo (não sei a definição de ótimo para você), veja Blink. Ou The Impossible Astronaut, episódio que gera consequências para a sexta temporada. Ou ainda The Day of the Doctor, especial de 50 anos da série. E quando você perceber a besteira que fez, no mínimo, retifique seu texto, ou para alegria geral dos whovians (denominação dos fãs da série) exclua da página.

    Peço desculpas se fui grosso ou se ofendi, mas do mesmo jeito que você teve a liberdade de falar algo que ofende a quem é fã da série, creio que ser sincero sobre seu texto não seja ofensa. E se for, desculpas.

  23. gabi
    20/01/2014 às 20:20

    tá, tô me preparando espiritualmente pra tudo que eu vou dizer. eu quero que você leia com cautela, e eu sinto MUITO MESMO se eu em algum momento for grossa ou estúpida.
    eu li essa resenha por indicação da minha melhor amiga, se não provavelmente não teria até hoje encontrado ela. ela me enviou um link, abri e li tudo, com bastante atenção. a primeira conclusão?
    well, a série foi inicialmente, há 50 anos atrás, produzida em intuito educativo e informativo. classificação livre. é pra família toda, se quiser resumir. algumas coisas, obviamente, terão sim, que ser explicadas e mastigadas para que crianças pequenas e whovians – como se chamam os fãs da série – entendam a temática do episódio. o mero “detector de plástico” (sinceramente, que baita título ridículo ._.) é chamado, na verdade, de ‘sonic screwdriver’ (chave de fenda sônica) e tem MUITAS funções. desde abrir portas até funções mais importantes como abrir cadeados. e ela é um baita alicerce para o doctor – mesmo assim, ele não costumava depender dela.
    o negócio é que você queria um thor, um batman. eles não deram ao doctor uma arma, ou deram pra ele super poderes. eles deram inteligência e dois corações. MUITO melhor do que qualquer pseudo ‘super herói’ que sai distruindo tudo e matando os vilões. ELE DÁ UMA CHANCE AOS VILÕES. ele quer que eles se redimam. ele dá pra eles uma chance. ele sabe o que é ter um momento de frustração e se perder no caminho e ir pra sombra.
    ele é um homem bondoso. ele sim é um super herói. nunca sendo egoísta, nunca fugindo. perdendo pessoas por aqui e por ali, e sempre seguindo em frente. doctor who é uma alusão à vida.
    como mesmo o produtor da série citou: “é difícil falar da importância de um herói imaginário. mas heróis são importantes. heróis contam algo de nós mesmos. livros de história contam como nós éramos, documentários contam como somos agora mas heróis nos contam quem nós queremos ser. e muitos heróis me deixam depressivo.
    mas… você sabe… quando eles fizeram esse herói, em particular, eles não deram pra ele uma arma, eles deram uma chave de fenda para concertar coisas. eles não deram um tanque ou uma nave de guerra, eles deram uma caixa de ligação que você pode ligar por ajuda. e eles não deram pra ele um super poder ou orelhas pontudas ou um raio de coração. eles deram um coração extra. eles deram dois corações. e isso é uma coisa extraordinária. nunca vai chegar a época que nós não precisemos de um herói como o doutor”.
    no fim da primeira temporada, esse ator (christopher eccleston), esse cara que interpreta o doctor, se regenera. e com isso nós sentimos sua dor. nós sentimos que, ele indo, toda sua personalidade, tudo se vai. tudo é efêmero. ele passa pra outro corpo. mesmas memórias, mesma pessoa. mas ao mesmo tempo uma COMPLETAMENTE diferente. é algo mais profundo do que mentes rasas possam simplesmente entender.
    como mesmo o doctor cita em um dos episódios recentes: “todo mundo muda. se você pensar bem sobre isso, nós somos várias pessoas diferentes durante nossas vidas, e isso é bom, isso é legal, nós temos que andar pra frente. contanto que lembremos tudo que nós já fomos antes”. e é disso que as regenerações se tratam. sempre se trataram disso.
    doctor who tem nuances incríveis, e eu não vou ficar aqui descrevendo ponta por ponta. é preciso de uma percepção maior do que a sua para entender tudo o que a série trata.
    já ganhou dois lugares no guiness e segue como mais popular nos estados unidos e inglaterra. acha que é pura modinha? não, não é. visualizada em 90 países diferentes no especial, e isso é só o começo. sinto muito por ter julgado tanto por um primeiro episódio ruim. e talvez uma primeira temporada mediana, se você for exigente com efeitos especiais. o problema é; você quem sai perdendo. e eu sinto muito por perder isso. eu sinto mesmo.
    eu só vou deixar alguns quotes da série. meus preferidos, na verdade.
    ache 15 quotes melhores em outra série e eu terei pelo menos mais respeito por você.
    “quando é hora de ir, se lembre do que está deixando. se lembre do melhor. meus amigos sempre foram o melhor de mim”.
    “da forma que vejo, toda vida é uma pilha de coisas boas e ruins. as boas nem sempre amenizam as coisas ruins, assim como as ruins nem sempre estragam as boas ou as tornam menos importantes”.
    “nós todos somos histórias no final. só faça essa ser boa, eh?”.
    “quando você é criança, eles dizem que é tudo… cresça, arrume um emprego, case, arrume uma casa, tenha uma criança, e é só isso. mas a verdade é: o mundo é tão mais estranho que isso. é tão mais escuro. é tão mais maluco. é tão melhor”.
    “algumas pessoas vivem mais em 20 anos do que outras em 80. não é o tempo que importa, é a pessoa”.
    “em 900 anos do tempo e espaço, nunca vi ninguém que não era importante”.
    “amy: a pandorica? isso é um mito!
    river: não somos todos?”.
    “dor e perda, elas definem nós tanto como felicidade ou amor. mesmo se for o mundo ou em uma relação, tudo tem seu tempo. e tudo acaba. mas não todo dia”.
    “todo mundo remotamente interessante é louco de algum jeito”.
    “sabe quando ás vezes você conhece alguém TÃO bonito e então você resolve falar com eles e, cinco minutos depois eles são tão sem graça quanto um tijolo? depois, você conhece outras pessoas e pensa ‘nada mal. eles são ok’… e seu rosto meio que se torna eles. como se sua personalidade estivesse sendo escrita por todo o seu corpo. e eles simplesmente se transformam em algo TÃO bonito”.
    “quanto tempo temos?
    doctor: uma hora? cinco segundos?”.
    “você pode disfarçar suas características, mas você nunca pode disfarçar sua intenção”.
    “fourth doctor: não há sentido em ser adulto se você não pode ser infantil ás vezes”.
    “todo mundo muda. se você pensar bem sobre isso, nós somos várias pessoas diferentes durante nossas vidas, e isso é bom, isso é legal, nós temos que andar pra frente. contanto que lembremos tudo que nós já fomos antes”.
    “tudo desaparece, não é mesmo? como respiração… num espelho”.

  24. Samuel
    20/01/2014 às 20:36

    Cara, na boa vc ta tentando julgar 50 anos de serie, com apenas 1 temporada,fala serio neh, eu sei tanto voce quanto qualquer um tem o direito de gostar ou nao, mas vc nao viu nada da serie e ta ai falando merda, ta certo que a 1th temporada eh meio bobinha, mas ela eh assim pq eh a reformulaçao de uma SERIE DOS ANOS 60, se vc quer mesmo ver “algo inteligente” nela, e nao quiser seguir da 1th temporada por ser boba, entao assista os episodio “Blink” “Vincent and The Doctor” “Silence on Library/Forrest of Dead” e vc vera q a serie nao eh “meros defeitos especiais e viloes burros”

  25. 20/01/2014 às 20:41

    Cara, sou muito fã da série, mas cada parágrafo do que você escreveu só me fez rir ehuehuaheaeh, deveria fazer isso com o resto das 6 temporadas, eu iria amar euhaueh

  26. Erick Leone
    20/01/2014 às 21:16

    Até entendo que a Primeira Temporada é realmente deprimente em efeitos especiais, História e talz, mas antes de analisar a série inteira como vc fez no final a pessoa deveria pelo menos avaliar um epi de cada Temporada ou algo do tipo. Ou talvez Especial de 50 anos (por mais que não pegue as referências a série clássica e a temporadas anteriores a trama da história ainda é no mínimo compreensível). Enfim, indico para vocês assistirem a Quinta temporada, é uma boa para vocês que querem SUPER Histórias com SUPER Aventuras e SUPER Reviravoltas no final.
    (Minha opinião, não me apedrejem e_e)

  27. Luiz fernando da Paixao
    20/01/2014 às 21:19

    Não da nem pra comentar o que você escreveu , que Idiota ! Não se resume uma serie por um capitulo , assim como não se julga um livro pela capa !!!
    Sim é verdade que esse primeira temporada (2005) não tem muito nexo ( se assistir apenas alguns episódios, ou se tem problema mental , pra não conseguir ligar um episódio com o outro ! Doctor Who não é so uma serie , ela tem grande prestigio no mundo todo !! ENTÃO ASSISTA TODAS AS TEMPORADAS , E DEPOIS SE AINDA NÃO GOSTAR Foda-se CADA UM TEM SUA OPINIÃO, SO QUE ANTES DE FALAR QUAL QUER BESTEIRA NA INTERNETE ,PENSE !! porque ESTA ÓBVIL QUE VOCÊ NÃO PENSOU !!!!
    FICA A DICA POIS A GUERRA ESTA COMPRADA !!!

  28. 20/01/2014 às 21:30

    Discordo de tudo que você disse. Se você quis chamar audiência para o site, parabéns, pois você conseguiu. Faça uma revisão em seu texto, pois você utiliza de palavras absurdas, provando que você não entendeu nada.

    Doctor Who é uma série que tem 50 anos de história. O episódio piloto de 2005 tem efeitos ruins, porém a série melhora no decorrer e continua a incrível e espetacular história do Doctor Who com episódios brilhantes.

    Ainda bem que você avisa, que não curte série. Continue vendo novela.

  29. Lais
    21/01/2014 às 00:03

    Me desculpe cara, mas sinceramente. você defecou pela boca. A série tem 50 anos, sabe o que são 50 anos de duração de uma série? Então.. Aí você vem e quer julgar uma série de 50 anos baseado em alguns episódios que são antigos, de 2000 e pouco, cujos efeitos não são de fato os melhores? Por favor né. Se a série fosse tão ruim não estaria aí até hoje firme e forte, tendo seu especial exibido em cinemas em várias parte do mundo. Mas doctor who não foi feito pra quem tem preguiça de pensar, então… só vê se não fala besteira 😀

  30. 21/01/2014 às 01:59

    HAHAHAHAHAHA, Aqui temos um artigo de um fraco que morreu no primeiro Ep e nunca chegou ao Empty Child. Não se preocupe amigo, nem todos são bons o suficiente pra essa série 😉

  31. 21/01/2014 às 11:17

    Eu só tenho uma coisa para dizer, assista Blink, décimo episódio da Terceira temporada, e depois a gente conversa. Mas nem precisa ir tão longe, assista a sequência “The Empty Child” e “The Doctor Dances”, episódios 9 e 10 da Primeira Temporada.

    Não julgue um livro todo apenas pela primeira frase. Leia ele todo primeiro.

  32. beatrizxmelo
    21/01/2014 às 16:27

    Sou fã da série e não por modinha, já que só descobri que era após assistir umas 3 temporadas e gostar bastante. Você escolheu assistir uma temporada fraquinha pois nessa época Doctor Who estava voltando e por isso não havia tanta verba para os efeitos especiais e, bom, isso foi há 8 anos atrás. Eu comecei a ver a série pela 5ª temporada e não me arrependo, alguns detalhes só peguei depois quando vi na ordem certa mas não foram grandes perdas. Então uma dica: assista a 5ª temporada, assim a probabilidade de você gostar da série é maior e te dará mais força de vontade para aguentar alguns episódios fraquinhos da 1ª temporada. 🙂

  33. 21/01/2014 às 16:47

    Uma dica: assista a 5ª temporada, pois os episódios têm mais enredo por conta do público que havia se formado. Na volta de Doctor Who a série tinha pouca verba para efeitos especiais e era voltado para um público totalmente diferente de hoje, o infantil, porque estava retomando às raízes da série em seu início, iniciada na década de 60. Eu, como fã, achei o episódio meio chato mas acho que julgar toda uma história por um episódio é um erro. Então dê mais uma chance (para a 5ª temporada de preferência) e se permita mudar de opinião.

  34. 22/01/2014 às 14:25

    olha cara, não vou te criticar e nem nada, mas eu assisto a série desde 2009, mas não desde a 1ª temp porque era escasso no Brasil naquele tempo, peguei a partir da 4ª temp e não me arrependi, olha esse episódio foi feito em homenagem a aqueles “monstros de plastico” da série classica, bom, pegue um episódio que não tenha muita ligação com a série classica, como Blink (3ª temporada, 10ª episódio) ou Eleven Hour (5ª temp 1º ep), mas tem 3 eps que eu recomento muito pra você, todos da 7ª temporada, The Bells of Saint John (7ª temp 6º ep), The Rings of Akhaten (7ª temp 7º ep), Nightmare in Silver (7ª temp 12º ep) e tmb tem mais um, no caso o Especial de 50 anos
    Bom mas eu recomendo que você assista esses pra vc perceber que a série realmente mudou, os efeitos de 2005 estavam quase piores que os da série classica, pra ser sincero, os ultimos 4 episódios da classica tiveram efeitos melhores que o ep Rose, bom mas de uma olhada, porque da pra mim te falar mais uma coisa, Nunca julgue um livro pela capa

  35. 12/02/2014 às 16:31

    Bah… parece que um bando de whovians (e eu com vergonha de assumir que jogo RPG) deu um rolezinho por aqui… vou responder a todos, independentemente dos posts ofensivos.

    Gente, essa é minha impressão sobre o primeiro e horrível episódio dessa série. Não pretendo ver os episódios que recomendaram, pois provavelmente não entenderia por não estar inteirado dos acontecimentos, mesmo assim obrigado pelas dicas.

    Leiam num dicionário os significados das palavras “resenha” e “crítica” antes de sair xingando a opinião alheia sobre um episódio ruim de uma série. É minha opinião. Me xingar não vai alterá-la.

    Se “tempo em exibição” fosse sinônimo de “bom” ou “excelente”, o Domingão do Faustão seria um programa muito instrutivo e apreciado.

    Já que muita gente veio me dar dicas, também vou dar umas: “defecar pela boca” além de ser muito feio de se escrever publicamente, é errado, pois eu escrevi e não falei o texto acima. Portanto, pensem com o cérebro, e não com a bunda antes de escrever.

    Sejam gentis com quem não conhecem, sei lá, aprendi isso em casa e é uma lição bem importante para vida. De nada adiantou me xingar aqui. O post continua no ar e minha opinião não mudou. Isso tudo só mostrou que muitos de vocês não tiveram educação.

    Por fim, se muitos de vocês conseguissem usar o cérebro pra pensar, perceberiam que eu não disse que a série é ruim, disse que ela está na modinha e depois descrevi como é o primeiro episódio, que é bem ruim.

    Curtam a série de vocês e sejam felizes pequenos gafanhotos!

  36. Elias
    28/05/2015 às 10:47

    Deveriam realmente assistir o EP 10 da temporada 3. Episódio totalmente independente. Pode assistir que vai entender tudo.
    Concordo que os primeiros EPs são ruins, mas melhora depois. Mas não devem assistir pensando que vão ficar perdidos no meio de uma trama genial. São diversos roteiristas, então um EP pode ser totalmente diferente do outro. E além disso, a série foi criada para o publico infantil, mas com o tempo mudou.
    Se não gostar, tudo bem. Cada um tem seus gostos. Mas gostaria de citar umas coisas que mostram que a serie não é ruim(não que alguém aqui tenha dito isso):
    – Tem recorde no Guinness Book como mais bem-sucedida série de ficção científica.
    – Na série clássica, Douglas Adams(O Guia do Mochileiro das Galáxias) escreveu alguns EPs e era fã da série.
    – Outros fãs: Stephen Hawking, Stephen King, Neil Gaiman(“Doctor Who nunca quis ser uma série de ficção científica complexa. No maximo, Doctor Who é um conto de fadas, com logica de conto de fadas”), Spielberg (“O mundo seria um lugar mais pobre sem Doctor Who”), George Lucas(Star Wars), Matt Groening (Simpsons), Robert Downey Jr, Johnny Depp e vários outros.

    • 28/05/2015 às 15:59

      Olá Elias! Obrigado por comentar!
      Respeito quem goste, como disse sempre, essa é minha opinião. Eu não gostei. Não estou fazendo campanha para que não assistam, apenas estou dizendo que achei bem ruim.
      Só tenho que descordar dos teus termos para achar a série boa:
      – Estar no Guinness não é atestado de maravilha. Até a macaca Crystal está no Guinness por quantidade de filmes realizados.
      – Acho o Guia do Mochileiro das Galáxias ruim também. Foi só modinha. Então não considero ele um grande escritor. Ou há mais alguma grande obra dele além do GdMdG e DW?
      – Meu gosto é baseado no que me diverte e não em moda. Não gosto de física só porque o Stephen Hawking gosta e não gosto de drogas por causa do Neil Gaiman e do Robert Downey Jr. Aliás, tudo para o Neil Gaiman é conto de fadas. Gosto muito dos livros dele, mas não gosto de tudo que ele gosta.
      Para mim, Dr. Who tem uma grande equipe de marketing que faz a série ficar famosinha. Já leu, por exemplo, A Culpa é das Estrelas do John Green? É péssimo, dá vontade de vomitar de tão ruim e mal escrito, com erro de narrativa, que às vezes parece que a protagonista é o narrador onisciente. Mas mesmo assim virou modinha por uma grande jogada de marketing e alavancou até um drama de igual mal gosto.
      Na minha opinião, é fácil fazer um drama com um assunto tão triste e delicado. Tão fácil quanto as comédias de Ben Stiller, onde ele sempre tem um problema intestinal na casa da nova namorada ou dos pais dela. Situação constrangedora que não pode ser chamado de genialidade na comédia.
      E é exatamente isso que penso do DW: pode ter seus lances engraçados, pode estar no Guinness, pode ter o pitaco do Douglas Adams, mas não é top para mim.

  37. 01/07/2014 às 11:43

    Procure neste site: http://www.google.com.br

  1. 01/07/2014 às 11:28

O que você achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: